Batom deixa sua marca na história


Conheça origem do cosmético favorito das mulheres

Responsável pelas mais diversas cores dos lábios, o batom tem uma história milenar e continua a ser um dos cosméticos mais utilizados pelas mulheres. Originado na antiga mesopotâmia, acredita-se que era derivado de pedras preciosas trituradas. No Egito, ele era feito a partir de uma substância conhecida como Púrpura de Tyr para dar mais sensualidade às princesas. Já na grécia, a combinação da raiz vermelha polderos com cerato e mel resultava em uma pasta para dar aspecto mais saudável às mulheres. Porém, no século II, ficou proibido o uso do batom antes do casamento grego.

A palavra batom só começou a ser utilizada no início do século XX, quando o perfumista francês Rhocopis inventou uma massa feita de talco, oléo de amenedôas, essência de bergamota e limão, e chamou-a de “bâton serviteur”. O objeto de beleza que era moda na Inglaterra da rainha Elizabeth I, virou símbolo do pecado e passou a ser a marca de prostitutas e atrizes na maior parte do século XIX.

Mas em 1921, esse cosmético tomou a forma de tubo com uma base de gordura capaz de colorir os lábios de maneira uniforme e conquistou as donas de casa americanas. Hoje, o batom contém pigmentos, ceras, óleos e emolientes, que além de embelezar, protege os lábios e faz parte do make de todos os tipos de mulheres.