Ácidos Graxos Trans e Dieta Saudável

Uma dieta equilibrada talvez seja um dos fatores mais importantes para quem deseja ter uma vida saudável, mas na maioria das vezes é deixada de lado, principalmente pela falta de informações sobre como se alimentar adequadamente. Em países ocidentais, o consumo de gorduras vem aumentando consideravelmente, em destaque para os ácidos graxos trans, fato que pode vir a acarretar diversos prejuízos à saúde, como o aumento do risco de doenças cardíacas.

Os ácidos graxos trans podem ser encontrados facilmente em produtos consumidos rotineiramente pela população, como em óleos vegetais, alguns tipos de margarinas, gordura vegetal hidrogenada, biscoitos, batatas fritas, creme vegetal, pastéis, enfim, alimentos do cotidiano. Os avanços tecnológicos vêm diminuindo as taxas de ácidos graxos trans nos alimentos, tornando-os mais adequados ao consumo, porém, muitos alimentos ainda o contêm em excesso.

Estudos demonstram que os ácidos graxos trans são capazes de modificar o perfil lipídico, provocando um aumento do nível de lipoproteína de baixa densidade (LDL), e reduzindo os níveis da lipoproteína HDL, alterando a relação HDL e LDL.

O efeito mais temido de uma dieta com altas concentrações de ácidos graxos trans é o aumento do risco de doenças cardiovasculares, responsáveis por milhares de mortes todos os anos. Outro risco, que ainda está em estudo, seria uma possível transferência dos ácidos graxos trans maternos para o feto via placentária, o que poderia afetar o desenvolvimento intrauterino, sendo que também foram detectadas concentrações mais elevadas de ácidos graxos trans em lactentes cujas mães apresentavam uma dieta com altos teores desta substância. Porém tal hipótese carece de mais estudos para sua confirmação.

A organização mundial da saúde recomenda uma ingestão de ácidos graxos trans de no máximo 1% do valor energético total diário, ou seja, cerca de 2,0 g/dia, em uma dieta de 2000 Kcal, para um indivíduo saudável, sendo esta recomendação parte de um projeto para a promoção de uma alimentação saudável,  atividade física e saúde. Entretanto, esse valor trata-se de apenas uma referência, não sendo uma obrigação para os países adotarem.

Para uma boa saúde, além de uma alimentação adequada, são necessários outros fatores, como praticar atividade física regularmente, não fumar, manter um peso corpóreo ideal, redução do consumo de açúcar, um controle adequado de problemas como Diabetes Mellitus e Hipertensão arterial. É importante sempre observar a rotulagem dos alimentos industrializados, pois nele são disponibilizados seus ingredientes e entre eles, o teor de ácidos graxos trans. Na dúvida, consulte um nutricionista.